PRÉ-MATRÍCULA - Curso de Especialização em Acupuntura Médica CEIMEC - Início ABRIL 2022

Auriculoterapia: O que é, para que serve e quais os benefícios

A auriculoterapia é uma especialidade da acupuntura caracterizada pela utilização de pontos especificamente nas orelhas para o tratamento de sintomas comuns associados às diferentes patologias. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é uma terapia de microssistema, pouco invasiva, que atua no âmbito físico, mental e emocional. 

Sua aceitação vem aumentando consideravelmente entre os pacientes, principalmente por causa de seus muitos benefícios. 

Ao longo deste artigo você irá entender melhor o que é a auriculoterapia, para que serve e ainda porque tantas pessoas têm se interessado pelo tratamento. 

O que é auriculoterapia?

A auriculoterapia é um método terapêutico que se baseia no princípio de que a orelha representa um feto de cabeça para baixo, considerando que pontos específicos no pavilhão auricular podem ser chaves para o tratamento de diversas doenças. 

Exatamente por isso é reconhecida como uma terapia de microssistema: uma parte do corpo, nesse caso a orelha, representa ele como um todo.

Cada ponto corresponde a uma parte do corpo e pode apresentar reações através de mudanças morfológicas, de coloração ou dor, em casos de doenças. Inclusive, tais coisas podem acontecer antes mesmo da condição se manifestar.

A estimulação dos pontos desse microssistema pode ser realizada através de agulhas, sementes, cristais, laser, moxa, infravermelho etc, e é a base para os benefícios da auriculoterapia. 

“A terapia tem como foco o ouvido por conta da presença de nervos espinhais do plexo cervical e alguns ramos dos nervos vago e simpático, podendo ter efeito na modulação do sistema nervoso central. Assim, quando estimulamos essas inervações, podemos ter uma pequena estimulação do sistema nervoso com efeitos biológicos, como relaxamento e analgesia”, explica o Dr. Marcus Yu Bin Pai.

Breve histórico

Não se sabe exatamente qual a origem da auriculoterapia e nem mesmo de onde vieram os seus primeiros registros. Sabe-se, contudo, que se trata de uma técnica bastante antiga, já que os egípcios acalmavam algumas dores pela estimulação de pontos no pavilhão auricular.

O documento mais antigo conhecido sobre o tema é o livro Geração de Hipócrates (século IV AC), considerado o pai da Medicina. O material afirmava que pequenas cauterizações atrás da orelha eram úteis no tratamento de casos de esterilidade.

Os chineses também já usavam a técnica dentro da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) e seus pontos deram origem a cartografias muito conhecidas atualmente. Segundo a teoria chinesa, são aproximadamente 200 pontos auriculares de tratamento. 

No século XVII os estudos de Hipócrates foram estudados pelo médico português Zacutus Lusitanus, que passou a usar pontos na orelha no tratamento de dores de quadril. 

Dr. Paul Nogier, um médico francês, já em 1951, se surpreendeu quando uma paciente afirmou ter sido curada de dores ciáticas após uma curandeira cauterizar alguns pontos em sua orelha. Curioso, dedicou 20 de anos a estudar o método e descreveu cerca de 43 pontos na orelha com correspondência com órgãos e sistemas do corpo humano. 

Suas publicações tornaram conhecida a Auriculoterapia Francesa, que foi sendo aperfeiçoada ao longo do tempo. 

A teoria é amparada pelos fundamentos da neurofisiologia, mais recentemente confirmados por estudos de ressonância magnética funcional.

Hoje em dia a auriculoterapia é reconhecida como parte da Medicina Geral pela Organização Mundial de Saúde e está presente em mais de 80 países, incluindo  Alemanha, França, EUA, Itália, Holanda, China, Japão e o Brasil. 

Para que serve a auriculoterapia?

A auriculoterapia é recomendada para alívio de dores e para sintomas físicos e emocionais, atuando como coadjuvante no tratamento de diversas doenças e condições clínicas. 

De acordo com a Agência Nacional de Acreditação e Avaliação em Saúde, órgão francês que equivale ao Ministério da Saúde brasileiro, as principais indicações da terapia são:

  • Dores agudas e crônicas;
  • Enxaqueca;
  • Insônia;
  • Transtornos emocionais, como ansiedade e depressão;
  • Vícios, incluindo tabagismo;
  • Distúrbios funcionais digestivos;
  • Compulsão alimentar;
  • Retenção de líquido;
  • Patologias funcionais urogenitais;
  • Alergias, especialmente as respiratórias;
  • Problemas motores.

A técnica também pode ser útil para perda de peso, por isso, também é recomendada para pacientes obesos. A explicação para sua contribuição nesses casos está na sua capacidade de estimular o funcionamento intestinal e de ajudar a controlar o apetite. 

Como é feita a auriculoterapia

O primeiro passo para o tratamento é uma consulta com o profissional especializado, que irá identificar os principais sintomas e, a partir disso, compreender quais os órgãos afetados. 

Em seguida será realizada a seleção dos pontos mais adequados para o tratamento. 

Como vimos, diversas são as formas de realizar pressão sobre esses pontos durante a sessão. As mais comuns são:

  • Agulhas filiformes: aplicadas sobre os pontos durante 10 a 30 minutos.
  • Agulhas intradérmicas: colocadas debaixo da pele por cerca de 7 dias.
  • Esferas magnéticas: coladas na pele por aproximadamente 5 dias.
  • Sementes de mostarda: podem ser aquecidas ou não e são coladas na pele durante 5 dias.

Quais são os pontos da auriculoterapia?

Existem diferenças significativas entre a escola francesa e a chinesa de auriculoterapia. A primeira registrou 43 pontos, enquanto a última descreveu mais de 200. 

Veja na imagem abaixo um exemplo de mapeamento dos pontos. 

É preciso ressaltar ainda a presença de variações anatômicas normais de pessoa para pessoa, o que pode dificultar a identificação das estruturas. 

Um amplo conhecimento e um treinamento prático são essenciais para que o profissional possa executar a técnica de forma adequada. 

Quantas sessões são necessárias?

O número de sessões necessárias para que o paciente desfrute dos benefícios esperados dependerá muito de cada caso. Quadros mais leves podem começar a apresentar melhora desde a primeira aplicação, enquanto outros precisarão de um maior estímulo para promoção do efeito esperado. 

Em geral, podem ser recomendadas até 10 sessões, conforme método escolhido. O profissional pode orientar ainda que a pessoa realize a terapia periodicamente a cada seis meses ou um ano, segundo a necessidade de cada uma.

Quem pode fazer?

Esta é uma das grandes vantagens da auriculoterapia: o tratamento pode ser feito por qualquer pessoa, independente da idade, sendo recomendado para crianças, adultos e idosos. 

Contudo, de acordo com o Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura, pacientes imunodeprimidos, diagnosticados com AIDS ou diabetes, em uso de anticoagulantes ou com alguma infecção ativa devem ser tratados com cautela.

Uma pesquisa realizada por autores chineses sobre a segurança do tratamento demonstrou que o efeito adverso mais comum é uma pequena irritação no local, mal-estar, pequenos sangramentos e náusea, presentes em menos de 5% dos pacientes tratados. 

Conheça os benefícios!

Em suma, os benefícios da auriculoterapia são a melhora dos sintomas tratados, em especial da dor. A terapia também contribui para alívio dos sintomas emocionais associados a diversas doenças, inclusive pode atuar diretamente sobre problemas como depressão e ansiedade. 

O método possui muitas vantagens, se destacam: 

  • Fácil aplicação
  • Ampla indicação
  • Indolor
  • Raros efeitos colaterais 

Faça a sua pré Inscrição para o Curso de Especialização em Acupuntura Médica do CEIMEC. 

Desde sua fundação há mais de 30 anos, o CEIMEC é referência nacional no Ensino e Prática da Acupuntura Médica no Brasil. Saiba mais!

+ posts

Médica Pediatra e Especialista em Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB (Associação Médica Brasileira).

Coordenadora do Curso de Especialização em Acupuntura do CEIMEC – Centro Integrado de Estudo em Medicina Chinesa

Médica colaboradora do Ambulatório de Acupuntura do Centro de Dor da Neurologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Professora do Curso de Especialização em Acupuntura do CEIMEC – Centro Integrado de Estudo em Medicina Chinesa.

Compartilhe em suas redes sociais

Especialização em Acupuntura Médica

Reconhecida pelo Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura 

Próxima turma em ABRIL de 2022 – PRÉ-MATRÍCULA ABERTA